domingo, 8 de setembro de 2013

Papai, o que é “aborto”?



Crianças são bem atentas e cheias de curiosidade. Enquanto os adultos conversam, muitas vezes elas estão tentando entender o que eles estão falando, aprendendo palavras novas, etc. Considere um garoto que ouve falar sobre “aborto” e resolve perguntar ao pai acerca do significado da palavra:

— Papai, o que é “aborto”?

O pai, um pouco surpreso, respondeu:

— Filho, o aborto acontece quando o bebê está na barriga da mamãe e ela não quer mais ele.

O garoto, achando isso muito estranho, questionou:

— Que mãe é essa, que não quer o filho? E o que ela faz com ele?

— Ela vai a um hospital ou clínica...

Interrompendo o pai, o garoto perguntou:

— A mulher “faz aborto” quando tá doente? 

— Não, filho, geralmente ela não está doente. Eu vou explicar melhor: Lembra que eu disse que toda criança passa nove meses na barriga da mamãe antes de nascer e chorar pela primeira vez?

— Lembro.

— Nesse tempo que ele passa na barriga da mamãe, ele pode ir crescendo e se desenvolvendo enquanto está bem protegido. Quando a mulher comete um aborto, ela não deixa ele se desenvolver o tempo necessário, e tira ele da barriga, antes de conseguir chorar pela primeira vez.

— O médico tira ele?

— Sim, filho.

— E pra onde ele leva a criancinha?

— Na verdade, filho, ela não sai mais do hospital.

O garoto, sem entender muito, continuou:

— Ela não sai do hospital? Mas no hospital nem pode gritar! Como é que ela vai brincar? Ainda bem que a mamãe não “fez aborto”, senão eu não ia poder ir à escola, nem à praia, e nem ia poder fazer barulho brincando...

Meio desconsertado, o pai apenas concordou:

— Realmente, filho.

Por fim, a criança confessou:

— E eu pensava que aborto tinha a ver com guerra!

— Por que, filho? — Disse o pai, sem compreender o que o filho quis dizer.

— Eu vi um desenho na televisão em que o “capitão medroso” dizia: “abortar a missão”. Então os soldados dele tinham que voltar.

— Filho, o aborto tem tudo a ver com isso. Da mesma maneira que o soldado não pode prosseguir para a batalha porque o comandante já pensa que vai perder, a mãe não deixa a criança prosseguir, porque pensa que vai fracassar. O papai e a mamãe deixamos você prosseguir. Por isso você pode me abraçar agora, meu garoto.


Esse diálogo é fictício, mas creio que ilustra bem a reação de quem reconhece que, se tivesse cometido um aborto, estaria tirando o direito de viver de um ser humano, talvez o do próprio filho. Diga não ao aborto! Todo ser humano tem direito a vida.

Marco Antonio da Silva Filho

domingo, 11 de agosto de 2013

A história de Judas é contraditória?

Compartilhar no Facebook


Um amigo pediu que eu oferecesse minha opinião sobre o texto "Traição de Judas é mais uma história contraditória da Bíblia". O texto ia ficar muito extenso, então resolvi postar aqui.

O texto original está seguido por meus comentários em negrito:

"Pelos relatos bíblicos, Jesus veio ao mundo para ser crucificado de modo a salvar a humanidade.
Outro que já nasceu condenado — só que para toda a eternidade — foi Judas, que delatou Jesus às autoridades judaicas."


É certo que Jesus sabia que Judas o trairia, mesmo antes de chamá-lo, contudo, o próprio Judas escolheu trair a Cristo.

"A Bíblia é confusa sobre o que levou Judas a dar o beijo da traição em Jesus. Em Marcos, o motivo seria a cobiça. Mateus concorda com Marcos, mas Lucas afirma que Judas foi influenciado por Satanás. Para João, a causa da traição foi a propensão de Judas para o roubo."

Não há confusão alguma. Não se pode roubar por cobiça? A cobiça que o fazia roubar o levou a vender Jesus. Isso só mostra que Judas não era verdadeiramente salvo, e, dessa forma, susceptível de ser influenciado por Satanás.

"Talvez — sempre de acordo com a Bíblia — Jesus tenha recompensado Judas pelo seu bom desempenho no papel de traidor. Se Judas tivesse recusado o seu destino, outra pessoa possivelmente não teria se saído tão bem, e Jesus poderia não ter êxito no papel de mártir da salvação da humanidade."

Blá, blá, blá... Como assim “sempre de acordo com a Bíblia”?! Apenas suposições tolas. Judas amou mais ao dinheiro que a Jesus. Não é à toa que o amor ao dinheiro seja considerado a raiz de todo mal.

"Quando Paulo escreveu que Jesus apareceu "para os 12" depois de sua ressurreição, a quem ele poderia ter tido em mente não se o Judas? O que Paulo disse não soa como se Judas tivesse sido punido nesta ou na próxima vida.

Já em Mateus 19:28, Jesus afirma que todos os 12 discípulos se sentariam em tronos para julgar as 12 tribos de Israel. Judas era, obviamente, um deles."


Paulo usa um termo tradicional para se referir ao primeiro grupo de apóstolos, “os doze”. Também é preciso lembrar que Atos 1 relata que Matias foi escolhido para ficar no lugar de Judas, junto com os outros 11 apóstolos.


"O pagamento de “trinta moedas de prata” pela traição é outra inconsistência da história mal contada sobre Judas porque naquela época esse tipo de dinheiro já tinha deixado de ser usado havia dois séculos."


Falso! Assista a entrevista com o arqueólogo Rodrigo Silva, na qual ele apresenta algumas das moedas utilizadas no tempo de Cristo. Link: http://youtu.be/TtkmHXmBeMU


"Mateus 27:5 afirma que Judas jogou fora as “moedas de prata” e se afastou dos sacerdotes para se enforcar. Mas como se Atos 1:18 informa que ele comprou “um campo”, virou fazendeiro? Para aumentar ainda mais a inconsistência, em Marcos, Lucas e João não há menção das 30 moedas."



Por que não continua a leitura? Mt 27.6,7: 
“E os príncipes dos sacerdotes, tomando as moedas de prata, disseram: Não é lícito colocá-las no cofre das ofertas, porque são preço de sangue. E, tendo deliberado em conselho, compraram com elas o campo de um oleiro, para sepultura dos estrangeiros”.
Foram os sacerdotes que compraram o campo. Como o dinheiro pertencia legalmente a Judas, é provável que o terreno tenha sido adquirido no nome dele.


"Os relatos sobre a morte de Judas também contribuem para reforçar as incongruências bíblicas.

Em Mateus 27:5, Judas se enforca. Mas em Atos 1:18, após comprar umas terras, as suas entranhas se arrebentam, sem que haja uma explicação para isso. Estaria Judas doente ou foi um castigo de Deus por ele ter feito algo que já era seu destino traçado pelo próprio divino?"


Sobre essa aparente contradição, Norman Geisler e Thomas Howe explicam:

“Esses relatos não são contraditórios, mas mutuamente complementares. Judas enforcou-se assim como Mateus afirma que ele fez. O relato de Atos apenas acrescenta que Judas caiu, e o seu corpo rompeu-se pelo meio, e suas entranhas se derramaram. Isso é exatamente o que seria de se esperar que acontecesse com quem se enforcasse numa árvore sobre um penhasco de rochas pontudas e sobre ela caísse.”



"Em Marco, Lucas e João não há menção ao suicídio do traidor, apesar da importância desse evento. A história de Judas não faz sentido, não tem lógica, nunca se fecha."


Isso é irrelevante. Há acontecimentos que podem ser considerados mais importantes que são citados apenas por um dos evangelhos, como a ressurreição de santos (Mt 27.52)


"De qualquer forma, vale a indagação: já que Judas não poderia ter outro destino senão o da traição de Jesus, ele não deveria ser elogiado em vez de ir para o inferno? Se sim, a conclusão é de que os cristãos são ingratos."


Acerca da escolha de Judas, já falei anteriormente. Jesus declara: “Em verdade o Filho do homem vai, como acerca dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para esse homem se não houvera nascido” (Mt 26.24).

Com os devidos esclarecimentos, percebe-se que escrever um texto como esse é fruto de profunda ignorância ou descarada desonestidade.

Marco Antonio da Silva Filho

sábado, 5 de janeiro de 2013

Lições Bíblicas Juvenis — Que Livro!

Antes de tudo, gostaria de pedir desculpas aos leitores do blog por ter deixado esse espaço parado por tanto tempo! Mas, agora, em 2013, pretendo voltar a publicar comentários sobre as lições bíblicas e outros assuntos que nos convém comentar. Obrigado pela compreensão!




"Buscai no livro do SENHOR e lede..." (Isaías 35.16a)

É exatamente a essa atitude que queremos inspirar nossos alunos: Buscar no livro do Senhor. Essa lição nos leva a expôr curiosidades, riquezas e maravilhas bíblicas que geram no ouvinte um maior interesse e estimação pela Bíblia.

De onde veio a palavra Bíblia?

Bom, o termo "Bíblia" é usado para se referir aos escritos sagrados dos cristãos, ou seja, Antigo e Novo Testamento. Mas, então, o que significa Bíblia? A palavra “Bíblia” vem do termo grego biblia (“livros”), forma diminutiva de biblos (“livro”), denotando o papiro (tipo de papel da antiguidade que era extraído da entrecasca de uma planta aquática desse mesmo nome) ou o pergaminho. O papiro e o pergaminho são citados nas Escrituras em Jó 8.11 e 2 Tm 4.13.

Qual é a Bíblia dos judeus?

É exatamente igual a nossa, mas sem o Novo Testamento. Em outras palavras, ela possui apenas o Antigo Testamento,que é dividido em três seções: Torah (A Lei), Nebhiim (Os Profetas) e Ketubim (Os Escritos). Jesus citou essas três seções (Lc 24.44), onde Salmos representa os Escritos. Por conta de alguns grupos de livros serem contados como um só, a Bíblia dos judeus possui 24 livros.

Conhecendo melhor a nossa Bíblia

A Bíblia possui 66 livros e é dividida em duas partes: Antigo testamento — 39 livros — e Novo Testamento — 27 livros. O AT foi escrito, quase completamente em hebraico, somente alguns trechos foram escritos em aramaico. O NT foi escrito em grego (koine).

O AT evangélico possui 39 livros, já o católico, tem 7 livros a mais, além de acréscimos a alguns livros. Os acréscimos no cânon católico são considerados apócrifos¹ pelos evangélicos.

Livros e seções do AT

Seções do AT
Livros do AT
Lei ou Pentateuco
Gênesis a Deuteronômio
Históricos
Josué a Ester
Poéticos
Jó a Cantares
Proféticos
Isaías a Malaquias

Novo Testamento

Seus 27 livros estão divididos em 4 partes — Evangelhos, Histórico, Doutrinários, Profético.

Livros e seções do NT

Seções do NT
Livros do NT
Evangelhos
Mateus a João
Histórico
Atos dos Apóstolos
Doutrinários
Romanos a Judas
Profético
Apocalipse


Para auxiliar na lição, você pode visitar o site da SBB, que contém algumas curiosidades bíblicas:
http://www.sbb.org.br/interna.asp?areaID=69

O tema que une toda a Bíblia: Jesus

Cristo é o tema central das Escrituras. O AT faz a preparação para Ele, e através de tipos e profecias, o prediz. Os Evangelhos apresentam sua manifestação e obra redentora.  Em Atos Ele é proclamado. Nas Epístolas, Seu ensino é explicado. Apocalipse O revela como a consumação de todos os planos e propósitos de Deus. Jesus está em toda a Bíblia! "Da descendência da mulher" (Gn 3.15) prometido no paraíso, ao "Alfa e Ômega" (Ap 22.13).

Marco Antonio da Silva Filho

Conteúdo adicional: 

Quando ministrei essa lição pela primeira vez, elaborei um questionário simples e bem-humorado. Talvez você goste e leve para seus alunos.
Aqui está: https://docs.google.com/open?id=0B2qMSiEIPrz4cVVvT3g4STN1cVU

Assista esse pequeno vídeo, que aponta Jesus em vários pontos da Bíblia:




¹ A palavra apócrifo vem do grego apochriphos e significava escondido, impuro, espúrio (não legítimo). Em 1546, o Concílio de Trento, convocado pela Igreja Católica, oficializou definitivamente a inclusão, na Bíblia, de sete livros e quatro acréscimos aos livros canônicos, como seguem: Tobias, Judite, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico, Baruque, 1 e 2 Macabeus. Acréscimos:ao livro de Ester (10.4;16.24); Cântico dos três Santos Filhos ao livro de Daniel, de (3.24-90); História de Suzana ao livro de Daniel (capítulo 13); Bel e o Dragão ao livro de Daniel (capítulo 14).

Referências:


Dicionário da Bíblia de Almeida. Barueri (SP): Sociedade Bíblica do Brasil, 1999;


Lições Bíblicas Juvenis, A atualidade da mensagem da Bíblia, CPAD;


Manual Bíblico Unger. São Paulo: Vida Nova, 2006;


Série Apologética, Vol. I, ICP.