quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Salvos por causa de um sorriso

"Quando perguntaram ao Sr. Moody o que ele pensava sobre Spurgeon, ele disse:

— Ele é um caudal perpétuo de resplendor cristão. Um domingo de manhã em Londres — continuou o Sr. Moody — Spurgeon disse-me, um pouco antes de começar a pregar: — Moody, quero que repares naquela família ali nos lugares da frente, e quando formos para casa contar-te-ei a sua história. 

Quando chegamos em casa — disse Moody — pedi-lhe para me contar a história, e eis o que ele contou: 

— Toda a família foi ganha por meio de um sorriso.

— Como foi isso? — perguntei. 

— Quando um dia passava por uma rua, vi uma criança à janela; ela sorriu e eu sorri e cumprimentei-a. No outro dia, aconteceu a mesma coisa. Não se passou muito tempo, que em vez de uma, aparecessem duas crianças à janela; e eu adquiri o hábito de olhar para lá cada vez que passava e de as cumprimentar com um sorriso. Bem depressa o grupo cresceu, e, por fim, quando por lá passei um dia, estava uma senhora com elas à janela. Fiquei sem saber o que fazer. Pensei não puxar conversa com as crianças, mas ao mesmo tempo pensei que elas estavam à espera. E assim passei, sorri e disse-lhes qualquer coisa. A mãe viu que eu era pastor, pois levava a minha Bíblia naquele domingo de manhã. No domingo seguinte, as crianças seguiram-me até à igreja, entraram e ficaram atentas. Pensaram até que eu era o maior pregador e que os pais deviam ouvir-me. Um pastor que é amável para com uma criança e lhes faz uma festa na cabeça, logo é tido por essa criança como o maior pregador do mundo. Finalmente, os pais e os cinco filhos foram convertidos. 

— Ganhos para Cristo por causa de um sorriso! — disse Moody. 

Deixemos de franzir as sobrancelhas e mostremos rostos sorridentes, se queremos ter sucesso no nosso trabalho de amor."

Marco Antonio da Silva Filho

Extraído do livro Ilustrações — Jogando luz no sermão, de Josué Gonçalves

Nenhum comentário:

Postar um comentário