sábado, 20 de agosto de 2011

Lições Bíblicas Juvenis — Como lidar com as riquezas

"Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam, nem roubam" (Mt 6.20).

O valor dos bens terrenos

Os bens materiais não são o verdadeiro problema, porém os proclamadores da "teologia da prosperidade" chegam a afirmar que o cristão somente é abençoado se for próspero materialmente, e que a pobreza é sinal de maldição; dizem até mesmo que Jesus era muito rico. Não encontramos respaldo bíblico para isso.

A Bíblia não trata, de forma alguma, os pobres com desprezo, como se fossem amaldiçoados. Ao invés disso, ela mostra verdadeiro cuidado e preocupação com os que têm poucas posses de bens materiais: "Pois nunca deixará de haver pobres na terra; por isso, eu te ordeno: livremente, abrirás a mão para teu irmão, para o necessitado, para o pobre na tua terra" (Dt 15.11). Jesus e Paulo tiveram esse cuidado com os pobres (Mc 14.7; 1 Co 11.22; Gl 2.10).

No que diz respeito a afirmar que Jesus foi um verdadeiro milionário, podemos ler que: quando Jesus foi apresentado no templo, José e Maria entregaram ao sacerdote a oferta daqueles que tinham poucas posses— um par de rolas ou dois pombinhos (Lc 2.24; confira Levítico 12.8). Por não serem ricos, os pais de Jesus seriam amaldiçoados? Claro que não! Quando perguntado se era lícito pagar tributo a César, Jesus pediu que o trouxessem um denário para que pudesse ver a moeda. Tal fato mostra que Jesus não possuía sequer uma moeda. Entre muitas outras referências que poderiam ser citadas.

O erro está, não em possuir bens materiais, mas em colocar neles o coração. Tornando a riqueza como principal objetivo, por isso Jesus disse: "Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam" (Mt 6.19).

O valor dos bens eternos

"Mas ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde a traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam" (Mt 6.20). Devemos atentar para aquilo que é eterno, ou tem consequências eternas. Paulo escreve a Timóteo que muitos cobiçaram, por amor ao dinheiro, e se desviaram da fé e passaram por muitas dores. "Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas e segue a justiça, a piedade, a fé, a caridade, a paciência, a mansidão. Milita a boa milícia da fé, toma posse da vida eterna, para a qual foste chamado" (1 Tm 6.10-12).

O que a Bíblia fala sobre "fazer fortuna"?

O foco de cada cristão não é a "fortuna". O seu alvo é Cristo, contudo ter Cristo como alvo não significa uma poupança com vários dígitos. O que acontece é que "muitos são atraídos para mesa do Mestre não para ter comunhão e intimidade com ele, mas para desfrutar do que está sobre ela".

O pastor Charles R. Swindoll escreveu: "Falando de forma geral, há dois tipos de testes na vida: a adversidade e a prosperidade. Dos dois, o último é o mais difícil. Quando a adversidade chega, às coisas se tornam simples; o alvo e a sobrevivência. E o teste de manter o básico, como a comida, roupa e moradia. Mas quando a prosperidade chega, cuidado! As coisas se complicam. Todos os tipos de tentações sutis chegam também, exigindo satisfação. É em tal circunstância que a integridade da pessoa é colocada à prova."

a) As riquezas podem roubar o coração. "Porque, onde está o teu tesouro, aí estará o teu coração" (Mt 6.21). Muitos, por amor ao dinheiro, estão esquecendo-se do amor a Deus. Jesus não está contra os ricos e prósperos, entretanto, mostra que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males (1 Tm 6.10). Por muito amarem o que é terreno, estão esquecendo-se do que é celestial.

b) As riquezas podem roubar a visão espiritual. "A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz. Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas" (Mt 6.22,23).  Nossa visão deve estar centrada em Cristo. Quando a visão de alguém tem as riquezas como centro, fica difícil enxergar a Cristo. Portanto, irmãos, vamos manter nosso foco em Jeová Jirê, o Deus que provê e supre as nossas necessidades.

c) As riquezas podem roubar a fé em Deus. "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom" (Mt 6.24). Mamom é uma palavra aramaica que significa riquezas, estas podem se tornar um deus para alguns. O amor e a dedicação as riquezas chegam a torná-la um ídolo, ocupando um lugar no coração, que só poderia pertencer a Deus.

Como lidar com as riquezas

Ser próspero é pecado? Ter muito dinheiro é errado? Não. É perigoso. Na Bíblia, podemos ver homens de Deus que foram prósperos: Abraão, Davi, Jó, Salomão... Contudo, eles souberam administrar essa benção de Deus, não havia ganância, ambição. Para lidar com as riquezas, é necessário viver uma vida controlada pelo Espírito Santo, que produzirá seu fruto (Gl 5.22,23).

E quando a situação não estiver favorável, devemos confiar em Deus do mesmo modo que o profeta Habacuque: "Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado, todavia, eu me alegro no SENHOR, exulto no Deus da minha salvação" (Hb 3.17,18).

Marco Antonio da Silva Filho


Também disponível no Portal ADALAGOAS



Referências
Dicionário da Bíblia de Almeida;

J. Dwight Pentecost. O Sermão da Montanha;

Paulo Romeiro. Super Crentes.

Um comentário: