quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Avareza: os dois mendigos

Conta uma história que havia dois mendigos que cresceram juntos e eram amigos inseparáveis. Desde crianças nunca se separaram e agora, idosos, viviam correndo o mundo.

Certo dia, passaram perto de uma ponte e viram uma corrente se desenterrando bem no barranco do rio e, como os mendigos vivem fuçando aqui e ali, eles acabaram desenterrando a corrente e puxaram-na com força.

Na ponta da corrente, de dentro do rio, apareceu um baú enorme, contendo um tesouro muito grande. Depois de muito festejar, eles combinaram que iriam repartir o tesouro. Quando ambos foram carregar as suas partes, não aguentaram, pois há muitos dias não se alimentavam e estavam fracos.

O que parecia mais esperto dos dois teve uma ideia: — Ora, amigo! Nós agora somos imensamente ricos. Pegue um pouco de ouro, vá até a cidade e compre comida para nós. Eu ficarei cuidando do nosso tesouro. O outro não achou má ideia, porém, ao sair, teve um pressentimento: — E se ele fugir com o tesouro? Não, ele não vai fazer isso... somos amigos há muitos anos!

Foi-se para a cidade e à tardinha voltou trazendo uma refeição forte e gostosa para o amigo. Viu o tesouro, mas não enxergou o amigo. Onde estaria? Depois de chamá-lo pelo nome várias vezes, ele apareceu traiçoeiramente com um punhal, que cravou bem sobre o coração do amigo.

Seus olhos brilharam.

— Agora o tesouro é só meu. Se antes eu podia comprar dezenas de casa com a metade, agora posso comprar uma cidade inteira com tudo. Toda aquela maquinação contra o amigo, causara-lhe mais fome ainda. Apanhou a comida que o amigo trouxera e comeu à vontade. Descansou um pouco, apanhou o baú com o tesouro e foi-se. De repente, sentiu-se mal. A sua visão escureceu-se e ele tombou morto, espalhando aquele tesouro em terreno arenoso.

Conclusão: o amigo havia tido a mesma ideia que ele, de ficar com todo o tesouro, por isso colocara veneno na comida. O avarento sempre tem um fim trágico...¹

"Por que o amor do dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores" (1 Tm 6.10).


Marco Antonio da Silva Filho


¹ Extraído do livro Ilustrações - Jogando luz no sermão, de Josué Gonçalves

Nenhum comentário:

Postar um comentário