sábado, 2 de julho de 2011

Lições Bíblicas Juvenis - O significado da felicidade

O trimestre que está iniciando tem como tema o sermão do monte, também conhecido como sermão da montanha. Nele, são expostos valiosos ensinos de Jesus Cristo. Jesus começa mostrando o que realmente é ser feliz.

O que significa ser "bem-aventurado"?

Bem-aventurado. Gr makarios, "feliz" "abençoado". É a felicidade do coração que está em paz com Deus. Tem um sentido diferente daquele que é comum ao mundo, pois, para muitos, felicidade é somente ter riquezas materiais, segurança e saúde inabalável. Mas, Jesus mostra que as verdadeiras riquezas são espirituais e não materiais. As bem-aventuranças mostram o caráter dos cristãos, os cidadãos do Reino dos céus.

Felizes os pobres de espírito

"Porque deles é o Reino dos céus" (Mt 5.3). Ser um pobre de espírito é ser humildemente dependente de Deus. Humilde de espírito é aquele que não se considera autossuficiente, mas é aquele cujo coração está ajoelhado. O pobre de espírito reconhece ser pecador e merecedor do juízo de Deus, como o publicano relatado em Lucas 18.9-14, que mostrava uma atitude totalmente contrária a do fariseu orgulhoso. Calvino escreveu: "Só aquele que, em si mesmo, foi reduzido a nada, e repousa na misericórdia de Deus, é pobre de espírito." O Senhor habita em um alto e santo lugar, mas também habita com o contrito e abatido de espírito (Is 57.15).

Felizes os que choram

"Porque eles serão consolados" (Mt 5.4). Esse choro é um choro de arrependimento. Muitos pensam que o rosto do cristão deve possuir um sorriso constante, mas não é assim que Jesus ensinou. O choro faz parte do arrependimento, chorar não só pelos próprios pecados, mas por causa da maldade que os homens cometem. Veja o que o salmista escreveu: "Rios de águas correm dos meus olhos, porque os homens não guardam a tua lei" (Sl 119.136). Mas, virá o momento em que o Senhor nos consolará (Sl 30.5; Ap 7.17).

Felizes os mansos

"Porque eles herdarão a terra"(Mt 5.5). Ser manso não significa ser um covarde, mas possuir auto-controle diante daquilo que venha lhe afligir. A mansidão faz parte do fruto do Espírito (Gl 5.22). Moisés era um homem mui manso (Nm 12.3); Jesus apresentava a mansidão (Mt 11.29; 2 Co 10.1). Nem por isso Jesus e Moisés são considerados fracos ou frouxos. Os mansos — contrariando o pensamento do mundo — e não os valentões ou bravos, herdarão a terra e se deleitarão na abundância de paz (Sl 37.11).

Felizes os famintos e sedentos de justiça
  
"Porque eles serão fartos" (Mt 5.6). Os que possuem um forte desejo de justiça, não é um desejo de riqueza material, não é um desejo de honra própria, mas de justiça. Os crentes buscam primeiro o Reino de Deus e a sua justiça, por isso eles a obterão (Mt 5.6; 6.33).

Felizes os misericordiosos

"Porque eles alcançarão misericórdia" (Mt 5.7). Jesus mostrou um verdadeiro exemplo de misericórdia na parábola do bom samaritano. Ser misericordioso é ser o próximo, de verdade (Lc 10.25-37). Ser misericordioso não é só perdoar sete vezes, porém, setenta vezes sete (Mt 18.21,22). Jesus disse: "Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso" (Lc 6.36).

Felizes os limpos de coração

"Porque eles verão a Deus" (Mt 5.8). É pureza no íntimo. Para manter limpo o coração é necessário guardar nele a Palavra de Deus (Sl 119.11). Ninguém pode subir ao monte do Senhor se não for limpo de mãos e puro de coração (Sl 24.4). Por isso Davi clamou: "Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto" (Sl 51.10).

Felizes os pacificadores

"Porque eles serão chamados filhos de Deus" (Mt 5.9). Os crentes recebem a paz de Cristo (Jo 14.27), por isso podem ter paz com Deus (Rm 5.1) e com os homens (Rm 12.18). O pacificador não se vinga, mas vence o mal com o bem (Rm 12.19-21). A recomendação bíblica é que sigamos a paz (Hb 12.14).

Felizes os perseguidos por causa da justiça

"Porque deles é o Reino dos céus" (Mt 5.10). Certo jovem, a fim de obter recursos para suas despesas no segundo ano de seu curso universitário, planejou passar as férias de verão num acampamento madeireiro. Ele provinha de um lar cristão com um passado muito marcante. Conhecendo a vida depravada de muitos dos que viviam em tais acampamentos, os pais procuraram preparar este jovem cristão para enfrentar a oposição e perseguição que pudessem surgir. Não tiveram notícias do filho durante o verão, por isso, em seu retorno ao lar, quiseram saber qual a atitude dos homens para com a sua fé. O jovem pareceu surpreso com tal indagação. "Ora, não me deram nem um bocadinho de trabalho o tempo todo. Na verdade, nem descobriram que eu era cristão", disse o filho.

Muitos, diante da perseguição, procuram esconder sua verdadeira identidade de cristão. Deus não se agrada disso, Ele não tem contentamento naquele que retrocede. Mesmo o cristão sendo misericordioso e pacífico, ele sofre perseguição, pois ele deseja a justiça em mundo cheio de injustiça. Diante da perseguição, Jesus nos recomendou nos alegrarmos, porque é grande o nosso galardão nos céus. O importante é que devemos ser fiéis até o fim. 

Para os vencedores
Nas bem-aventuranças, podemos ver o quanto pensamento cristão é diferente do pensamento do mundo. Viver igual a Cristo é ir na contra-mão do mundo. Por esse motivo, somos perseguidos. No mundo passamos por aflições, contudo, devemos ter bom ânimo, disse-nos Jesus, que venceu o mundo. Devemos sempre estar olhando para Cristo, que não nos abandona (Mt 28.20); e saber que "a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente" (2 Co 4.17).

Marco Antonio da Silva Filho

Referências:

Paul Earnhart. O Sermão da Montanha Extraindo os Tesouros das Escrituras: Exposições Práticas;

John R.W.Stott. Contracultura cristã — A mensagem do Sermão do Monte;

J. Dwight Pentecost. O Sermão da Montanha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário